Procurar
Close this search box.
Procurar
Os mais lidos

Líderes no restauro de ecossistemas vencem Prémio Gulbenkian para a Humanidade

lideres-ecossistemas-premio-gulbenkian-essencia-ambiente

Três personalidades inspiradoras foram distinguidas com o Prémio Gulbenkian para a Humanidade 2023 como reconhecimento da sua liderança climática no restauro e na proteção de ecossistemas vitais: Bandi “Apai Janggut”, líder comunitário (Indonésia), Cécile Bibiane Ndjebet, ativista e agrónoma (Camarões), e Lélia Wanick Salgado, ambientalista, designer e cenógrafa (Brasil).

O júri, liderado pela antiga chanceler alemã Angela Merkel, selecionou estas três personalidades entre 143 nomeados, oriundos de 55 países, reconhecendo a sua liderança e trabalho incansável, ao longo de décadas, no restauro de ecossistemas vitais (florestas, paisagens e mangais) e na proteção de territórios em conjunto com as comunidades locais. O seu compromisso foi o de agir localmente para restaurar e proteger os ecossistemas e a sua biodiversidade, contribuindo para um funcionamento saudável do sistema Terra e para mitigar os impactos das alterações climáticas.

BANDI “APAI JANGGUT”

Bandi “Apai Janggut” é o líder tradicional da comunidade indígena Dayak Iban Sungai Utik Long House, situada na floresta tropical de Kalimantan, no Bornéu. Bandi é conhecido como o “guardião” da floresta de Sungai Utik pelo seu combate ambiental, de décadas, contra o desmatamento ilegal, a produção de óleo de palma e os interesses corporativos.

Ao longo de 40 anos, Bandi conduziu a sua comunidade na luta pelo reconhecimento do direito à terra que habitam. Em 2020, o governo indonésio concedeu o direito de propriedade de 9 500 hectares de terra à comunidade Dayak Iban.

Esta comunidade foi também reconhecida como protetora do ambiente pelo governo indonésio e galardoada com o “Equator Prize” das Nações Unidas.

CÉCILE BIBIANE NDJEBET

Cécile Bibiane Ndjebet lutou, durante mais de 30 anos, pela igualdade de género e o direito das comunidades à floresta e aos seus recursos naturais. A sua intervenção conduziu ao restauro de mais de 650 hectares de terra em estado de degradação.

Em 2021, integrou o Conselho Consultivo da “UN Decade on Ecossystem Restauration”. Em 2022, foi considerada “Champion of the Earth for Inspiration and Action” pelo Programa das Nações Unidas para o Ambiente e recebeu o prémio “Wangari Maathai Forest Champions” do “Collaborative Partnership of Forests”.

Cécile tem liderado os esforços para influenciar políticas de igualdade de género na gestão das florestas em 20 países africanos. É também membro ativo da “UN Women Major Group” e uma reconhecida advogada para o direito das mulheres à terra em várias redes globais. O seu trabalho inclui a mobilização das mulheres que, em zonas rurais, se dedicam ao restauro dos mangais ao longo da costa dos Camarões.

Em 2000, fundou a “Cameroon Ecology”, uma Organização Não Governamental empenhada em promover a gestão dos recursos naturais, a governança local e o desenvolvimento económico. Em 2009, fundou a “African Women’s Network for Community Management of Forests (REFACOF)”, uma rede regional de 17 países da África Central e Ocidental. É também membro da “Forests Dialogue and the Civil Society Advisory Group”, Copresidente da “Civil Society College of the Congo Basin Forest Partnership”e membro de outros grupos multilaterais e de iniciativas focadas na conservação e restauro da floresta e na igualdade de género.

LÉLIA WANICK SALGADO

Lélia Wanick Salgado é uma ambientalista, designer e cenógrafa brasileira. Estudou arquitetura e planeamento urbanístico em Paris. O seu interesse pela fotografia surgiu em 1970 e, nos anos 80, começou a trabalhar na conceção e design da maior parte dos livros de fotografia de Sebastião Salgado e em todas as suas exposições.

No fim dos anos 90, Lélia e Sebastião criaram o Instituto Terra, uma organização não governamental dedicada à reflorestação, conservação e educação ambiental no Vale do Rio Doce, Brasil. A instituição, localizada na floresta tropical da Mata Atlântica, já plantou quase três milhões de árvores e tornou-se uma referência mundial em termos de restauro dos ecossistemas e de recuperação e preservação ambientais.