Procurar
Close this search box.
Procurar
Os mais lidos

Vulcão extinto pode armazenar até 125 anos de emissões de CO2

vulcao-extinto-co2-essencia-ambiente

Uma investigação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade NOVA de Lisboa e da Universidade de Aveiro acaba de apresentar a possibilidade de um vulcão extinto – neste caso o exemplar estudado foi um vulcão a oeste de Portugal – poder armazenar até 125 anos de emissões de CO2 (dióxido de carbono). Esta descoberta poderá representar uma oportunidade única para a redução das emissões de dióxido de carbono dentro e fora de Portugal, dado que estes vulcões extintos localizados nas margens continentais, em todo o mundo, podem capturar de forma segura e permanente centenas (a milhares) de giga toneladas de dióxido de carbono em minerais recém-formados.

Estas estruturas vulcânicas armazenam o CO2 através de um processo de carbonatação mineral na própria localização do vulcão.  “Este processo ocorre naturalmente em basaltos e peridotitos (por exemplo, o ofiólito de Semail em Omã) e foi replicado com sucesso como um método industrial na Islândia, no projeto de injeção Carbfix”, explica o resumo da investigação. Este processo é considerado mais seguro do que o armazenamento em rochas porosas na subsuperfície (método mais comum atualmente). Esta nova abordagem permite estimar os volumes de CO2 captados neste vulcão e noutros semelhantes: “Este único edifício vulcânico pode ser responsável por armazenar até 125 anos de emissões industriais anuais em Portugal.”

UMA INVESTIGAÇÃO PORTUGUESA RUMO À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL DO PLANETA

A investigação, liderada por Ricardo Pereira, investigador da FCT NOVA e por David Gamboa, da Universidade de Aveiro, durou aproximadamente dois anos desde o início do conceito até à data de publicação e resulta de um projeto de investigação anterior, desenvolvido com a colaboração da indústria de petróleos e da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

“Os primeiros trabalhos conhecidos que consideram o armazenamento de CO2 em vulcões extintos são de Holford et al (2021), porém a nível conceptual e não estão diretamente relacionados”, explica Ricardo Pereira, investigador da FCT NOVA e um dos responsáveis pela investigação. “Este estudo, agora publicado, apresenta pela primeira vez uma abordagem especifica para vulcões extintos, tomando como exemplo um vulcão do cretácico superior em Portugal, com uma abordagem de quantificação de volumes de armazenamento para estes casos e aplicável a nível mundial.”, remata.

Estudos como este vêm demonstrar a verdadeira importância da investigação para um caminho futuro verdadeiramente mais sustentável.