Procurar
Close this search box.
Procurar
Os mais lidos

Já é possível utilizar resíduos de uva para produzir tecidos sustentáveis

bagaço-uva-soalheiro-essencia-ambiente

Unindo esforços para dar mais um passo importante para a caminhada sustentável do planeta, o Soalheiro, a primeira marca de Alvarinho de Melgaço, em parceria com a Tintex Textiles, empresa têxtil de tingimento, acabamento e revestimento de malhas, desenvolveu o primeiro tecido de algodão orgânico com incorporação de bagaço de uva. Um tecido alternativo ao couro passível de ser utilizado para vários fins.

Estas duas empresas, implementadas no Alto Minho, têm uma aposta assumida na sustentabilidade ambiental pelo que este tecido é desenvolvido e revestido com 55% de matéria vegetal.

PROCESSO DE CONCEÇÃO DESTE TECIDO ORGÂNICO INOVADOR

A ideia deste tecido surgiu da necessidade de transitar, cada vez mais, para uma economia circular, potenciando o reaproveitamento de todos os produtos. Assim, na Tintex Textiles a uva prensada é tratada, seca e triturada até se obter um pó que é adicionado a um cocktail de produtos químicos, sendo que seis meses depois a receita está pronta para dar lugar a um tecido sustentável, onde a base é uma malha de algodão orgânico e um revestimento feito com resíduos de uva Alvarinho.

Apesar de existir uma série de possibilidades de aplicação, para este tecido inovador, a ambição é agora avançar com testes em rótulos, em vestuário e em bases para copos. A cor e as propriedades deste tecido podem ser ajustadas a cada aplicação, podendo ser trabalhados variados fatores como a questão da impermeabilidade e da respirabilidade. Esta sinergia sustentável espera ver concluída até à próxima vindima estes exemplos de aplicações.

Mais um projeto inovador, sustentável e enriquecedor para a sustentabilidade ambiental de Portugal. Através da reutilização dos produtos, para que os mesmos tenham um ciclo mais prolongado, o planeta caminha para um lugar verdadeiramente equilibrado, conseguindo atingir patamares extremamente favoráveis na proteção do meio ambiente. Agora é tempo de MUDAR, de AGIR e de INOVAR!