Procurar
Close this search box.
Procurar
Os mais lidos

Ooty e Ecosteel reduzem a pegada ecológica com construção sustentável

otty-pegada-ecologica-construçao-sustentavel-essencia-ambiente

De forma a dar mais um passo na construção de um futuro mais sustentável em madeira, a Ecosteel entra no capital social da Ooty. O objetivo? Uma parceria que visa privilegiar os princípios da construção modular em madeira, sustentada em valores como a sustentabilidade ambiental e o relacionamento personalizado com cada cliente.

VALORES AMBIENTAIS

A Ooty é uma marca que se dedica à produção de estruturas pré-fabricadas e modulares com subestrutura em madeira (wood frame) como casas, bungalows, módulos de alojamento, entre outros. Apresenta não só um conceito contemporâneo de soluções pré-fabricadas, como abre caminho a nova abordagem ao desenho arquitetónico, executando, também, projetos desenvolvidos de raiz, apoiados pelo seu departamento de arquitetura e engenharia. Atualmente, está preparada para construir grandes edifícios com estrutura de madeira, sem limitações no número de pisos.

Para José Maria Ferreira, CEO da ECOSTEEL, “o futuro da construção passa por uma aposta na sustentabilidade e na utilização de materiais como a madeira que permitem reduzir a pegada de carbono em 60% a 70%.” Salientando, que em termos de negócio “a integração da Ooty no grupo ECOSTEEL irá permitir o arranque de uma unidade de produção de CLT que terá capacidade para produzir 50.000m3 / ano.

Construídas de origem natural e passíveis de serem recicladas posteriormente, este modelo de construção reduz a pegada ecológica, na medida em que diminui o desperdício gerado por betão e outros materiais, quando comparado com as construções convencionais.

Desta forma, a marca aposta em soluções ambientalmente sustentáveis, de fácil instalação e com elevada eficiência energética e isolamento térmico e acústico.

SOLUÇÕES SUSTENTÁVEIS EM PROL DO AMBIENTE

As estruturas pré-fabricadas e modulares permitem a realização de projetos de pequena e grande escala, estando ao alcance de um maior número de pessoas pelos seus custos competitivos e timings reduzidos de construção. A montagem de uma casa de 200m2, por exemplo, pode ser feita em pouco mais de uma semana por uma equipa de quatro pessoas.

Este tipo de solução tem vindo a ser cada vez mais procurada por jovens que reconhecem neste modelo uma solução de habitação permanente, a preço acessível e livre de complicações.

A marca Ooty tem sido especialmente apreciada pelo setor do turismo, podendo já encontrar-se unidades modulares em sítios como a Quinta da Pacheca, em Lamego, o Glamping Hills Park, em Bragança, a barragem de Castelo de Bode ou até no centro de treino do Lille Olympique Sporting Clube, em França.

De acordo com José Maria Ferreira, “a combinação deste sistema construtivo com o de estruturas modulares pré-fabricadas resultará numa capacidade produtiva de 1.000 a 1.200 casas por ano.”

Uma parceria que irá permitir alcançar “objetivos mais ambiciosos para o presente e futuro, visando um crescimento e visibilidade mais expressivos, não só para a marca como também para a sua área de atividade e causa ecológica.” Esta associação de empresas “sustenta parte de uma estratégia que enaltece e interliga os conceitos de inovação e consciência ambiental e abre caminho em direção a um futuro construído eco consciente e preocupado com a saúde do planeta”, acrescenta José Maria Ferreira.

Uma excelente iniciativa que com impacto ambiental praticamente nulo. Um método construtivo distinguido pela utilização de painéis estruturais de madeira que são colados com as suas fibras justapostas em ângulos de 90º, garantindo uma elevada rigidez e uma excelente prestação térmica.