Procurar
Close this search box.
Procurar
Os mais lidos

“Movimento Faz Pelo Planeta”: premiados projetos que estão a mudar o planeta

movimento-faz-pelo-planeta-essencia-ambiente

Com o objetivo de trazer para a ribalta ativistas ambientais menos conhecidos do grande público, denominados como big changers, que diariamente fazem a diferença em prol do ambiente, de forma a influenciar outros a adotarem comportamentos mais sustentáveis, a 2ª edição do “Movimento Faz Pelo Planeta”, do Electrão, premiou três grandes vencedores. Nesta 2ª edição estiveram mais de 70 projetos a concurso.

CONHEÇA OS VENCEDORES DO “MOVIMENTO FAZ PELO PLANETA”

1º PRÉMIO: OIÁ PLAST – PLÁSTICO RECICLADO À MÃO

Tudo começou em 2019 na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. As paisagens paradisíacas, invadidas por plástico proveniente dos quatro cantos do mundo, levaram Isabel Bourbon a agir. “Transformar esse plástico invasor em objetos pretendidos, enquanto limpávamos praias e mobilizávamos a comunidade para a problemática dos plásticos, foi a nossa missão de quase dois anos de atividade em Cabo Verde”, conta a co-fundadora da Oiá Plast.

Em março de 2021, mudou-se para Cabeceiras de Basto e hoje é a partir do Norte de Portugal que dá o seu contributo para impedir que os plásticos cheguem ao mar e se depositem nas praias.

A Oiá Plast trabalha na sensibilização e no envolvimento da comunidade para a problemática do plástico. Dinamiza workshops de reciclagem, promove comportamentos mais conscientes e as escolas, comércio e empresas funcionam como pontos de recolha, com o contributo da população local. Às instalações da Oiá chegam, todos os dias, resíduos de plástico que são transformados em diferentes objectos, desde peças decorativas a jogos.

“Na nossa oficina pensamos novos usos para o plástico. Aproveitamos as suas características únicas para criar objetivos úteis, pretendidos e, acima de tudo, feitos para durar”, descreve.  “Queremos mudar a forma como as pessoas olham para os resíduos plásticos e afastá-los dos aterros e do meio ambiente”, garante Isabel Bourbon.

O projeto, que já permitiu a recolha e reciclagem de cerca de 350 quilos de plástico, “não é apenas sobre reciclar. Queremos criar objetos com valor e propósito, que permaneçam na vida de quem os detém por muito tempo”. O que para muitos ainda é encarado como lixo, é matéria-prima para novos produtos da Oiá: distintos, úteis, desejados e duradouros.

2º PRÉMIO: VINTAGE FOR A CAUSE – MODA CIRCULAR

Mais do que uma marca de roupa, a “Vintage For a Cause” é um projeto que faz pelo planeta e pelas pessoas. “Criamos moda intemporal com resíduos têxteis e com uma causa maior que é a de capacitar e empoderar mulheres desempregadas com mais de 50 anos”, resume a fundadora, Helena Antónia.

A mudança só acontece de forma coletiva e por isso a “Vintage For a Cause” trabalha de mãos dadas com empresas de design, produtores e consumidores, através de workshops e ações de sensibilização, com o fim de promover modelos de consumo mais responsáveis.

A Economia Circular é a base do projeto de moda sustentável criado em 2013, que seleciona e resgata resíduos têxteis de pré-consumo que são depois transformados em coleções de moda por costureiras fora da vida ativa, sinalizadas no âmbito do programa de empoderamento feminino e capacitação “From Granny To Trendy”.

Após o programa as participantes tornam-se “Mending Tutors” (monitoras), voluntárias e/ou costureiras. A “Vintage For a Cause” tem, assim, um forte impacto positivo ao nível social, mas contribui também para a redução do desperdício têxtil.

Ao longo de 10 anos, mais de 1000 mulheres já estiveram envolvidas no projeto, que permitiu, ao mesmo tempo, evitar cerca de 5 toneladas de resíduos, o que equivale a uma poupança de mais de 22,5 milhões de litros de água e 56 toneladas de emissões de CO2.

3º PRÉMIO: ROTAECO – NO TRILHO DA SUSTENTABILIDADE

O projeto Rotaeco, que surgiu em 2020, em plena pandemia Covid 19, quer inspirar a mudança através da capacitação dos jovens para a sustentabilidade. Tudo nasceu da necessidade de simplificar a questão da sustentabilidade, para que os jovens consigam adquirir hábitos mais sustentáveis e ter um papel ativo no caminho para a mudança.

“Com publicações informativas nas redes sociais, desmistificamos temas com informação fidedigna e muitas dicas”, resume uma das fundadoras do projeto, Cláudia Severino.                                                                                                                          

A Academia Rotaeco, destinada aos jovens universitários do Porto, mais do que explicar o problema aos estudantes, envolve-os para que façam parte da solução.                                                                                                                                                             

O trilho do Rotaeco tem deixado rasto nas redes sociais, mas também em workshops, webinars, feiras de sustentabilidade e outras ações, como recolha de roupa em segunda mão para venda solidária.

Cláudia Severino acredita que a educação dos jovens que estão prestes a entrar no mercado de trabalho é essencial para garantir cidadãos mais ativos politicamente e consumidores mais conscientes, o que é crucial para uma mudança de paradigma. “Os jovens querem participar, só precisam de alguém que os ouça e que os informe sobre o tema da sustentabilidade, e é isso que temos feito”, remata.

Nesta 2ª edição, o “Movimento Faz Pelo Planeta” By Electrão volta a enaltecer o dinamismo, a criatividade e a generosidade. “Premiamos projetos que protegem o ambiente e que salvaguardam, em alguns casos, questões sociais relevantes, o que os torna ainda mais valiosos para toda a comunidade. Esperamos que esta iniciativa continue a elevar a fasquia potenciando múltiplos projetos que ajudam a proteger a nossa casa comum de forma muito nobre e original”, elogia o CEO do Electrão, Pedro Nazareth. 

O 1º prémio tem associado um valor de 7.500 euros, o 2º vencedor recebe 5.000 euros e ao 3º são atribuídos 2.500 euros. Os prémios destinam-se a impulsionar os projetos vencedores, tal como previsto no regulamento.

O “MOVIMENTO FAZ PELO PLANETA” CONTINUA A CRESCER

Os vencedores da 1ª edição juntaram-se, neste 2º ano do projeto, a alguns dos influenciadores mais conhecidos nestas áreas e que já ajudaram a inspirar cidadãos na edição anterior. São os casos de Ana Milhazes (Lixo Zero), Catarina e Rita Leitão (Zero Plástico), Catarina Matos (Mind the Trash), Gonçalo de Carvalho (SCIAENA), Joana Guerra Tadeu (Ambientalista Imperfeita) e Inês Soares (Nononovo).

O Movimento está a crescer e esta nova edição contou, ainda, com três novos embaixadores: Catarina Barreiros, que tem um projeto de comunicação para a sustentabilidade, o Do Zero; Eunice Maia, rosto da Maria Granel, e Andreas Noe, já conhecido como “The Trash Traveller” ou o Viajante do Lixo.

O Electrão quer dar continuidade a esta dinâmica, de inspirar os portugueses e conquistar mais pessoas para a causa da sustentabilidade. O “Movimento Faz Pelo Planeta” pretende contribuir para a criação de uma autêntica comunidade de ativistas ambientais, que são exemplos perfeitos de como é possível pensar globalmente e agir localmente.

Esta iniciativa do Electrão tem como parceiros governamentais a Agência Portuguesa do Ambiente e o Instituto Português do Desporto e Juventude. Entre os parceiros associativos e empresariais do movimento estão a Deco Proteste, a Quercus, a Liga dos Bombeiros Portugueses, o Corpo Nacional de Escutas, a EGF, a ESGRA, o Lidl Portugal e a Veolia.